O governo Temer congelou investimentos públicos por 20 anos em várias áreas, incluindo saúde, pesquisa, tecnologia e educação. Agora o governo de Jair Bolsonaro anuncia que irá tirar mais verbas e recursos da educação, numa tentativa de acabar de vez com a educação pública, gratuita e de qualidade no Brasil. 

Por isto, os professores e demais profissionais do setor, com apoio dos estudantes, farão uma grande greve por todo o Brasil nesta quarta-feira, 15 de maio. É uma paralisação justa, que merece nosso total apoio, nossa total confiança e esperança. 

O ato de ensinar é uma das mais nobres missões e os professores brasileiros são profissionais de muito valor que merecem respeito, reconhecimento e plenas condições para continuarem se desenvolvendo, preparando aulas, trabalhos e pesquisas.

E não vamos cair na conversa do governo de que só haverá investimentos com a reforma da Previdência. Já diziam isto com a reforma Trabalhista e com a terceirização sem limites, mas os investimentos não vieram nem empregos foram gerados. Aliás, temos 18 milhões de desempregados e pessoas que desistiram de buscar uma vaga porque acham que não vão encontrar.

Portanto, vamos juntos nesta luta contra os retrocessos na Educação Pública. Total apoio à greve desta quarta, 15 de maio. E vamos continuar a organização da greve geral de 14 de junho contra o fim da Aposentadoria e em defesa da Previdência Social. A união faz a força e a luta faz a lei!

 

Miguel Torres é presidente da CNTM (Confederação Nacional
dos Trabalhadores Metalúrgicos) e do Sindicato dos Metalúrgicos
de São Paulo e Mogi das Cruzes e presidente interino da Força Sindical.
E-mail: migueltorres@metalurgicos.org.br 

FONTE: CNTM E AGENCIA SINDICAL